sábado, 16 de abril de 2011

1 - O LIVRO DE GÊNESIS


"Disse Deus: Haja luz; e houve luz."


            Tenho um carinho especial pelo Livro de Gênesis, principalmente pelo capítulo 1, versículos 1, 2 e 3, onde está escrito: "No princípio criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. Disse Deus: Haja luz; e houve luz."

            Foram justamente essas palavras que o Capitão QOAPM Sérgio Magno (hoje fazendo curso que o habilitará a ser Major) proferiu sentado à minha frente, na sala de aula do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, na Vila Policial Militar do Bomfim, em Dendezeiros, na cidade de Salvador, quando éramos alunos do Curso de Formação de Sargentos da Polícia Militar da Bahia, no ano de 1987. Poderia ter sido uma coisa simples, não fosse o fato de, naquela época, eu ser um ateu declarado. Deus, por pura misericórdia e graça, abriu o meu entendimento de forma sobrenatural para Sua Palavra. Sem saber, o então colega Magno leu para mim justamente a passagem que eu mais escarnecia e usava para tentar provar a falácia das Sagradas Escrituras. Mas esse testemunho eu contarei em outra postagem.

            Vamos começar agora uma série de estudos sobre todos os Livros da Bíblia Sagrada, abordando, primeiramente, o Livro de Gênesis e seguindo na seqüência em que os demais livros encontram-se organizados, ou seja, depois de Gênesis abordaremos Êxodo e, assim, seguiremos até Apocalipse. Para tanto, vamos citar textos de várias fontes, tais como: Bíblia de Estudo das Profecias, Bíblia de Estudo Pentecostal, Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, Enciclopédia de Estudo Bíblico Beacon, Apocalipse Versículo por Versículo, Daniel Versículo por Versículo, etc.


            "O LIVRO DE GÊNESIS

            A primeira parte de Gênesis se concentra no surgimento e na disseminação do pecado no mundo e culmina com o devastador dilúvio dos dias de Noé. A segunda parte do livro aborda o relacionamento de Deus com um homem, Abraão, através de quem Deus promete trazer salvação e bênção ao mundo. Abraão e seus descendentes aprendem que é sempre seguro confiar em Deus em tempos de fome ou de festa, de bênçãos ou de problemas. De Abraão a Isaque, a Jacó e a José, as promessa de Deus começam a se cumprir, resultando numa grande nação possuindo uma grande terra.

            Gênesis é uma palavra grega que significa "origem", "fonte", "geração" ou "princípio". O termo original em hebraico é Bereshith, que significa "no princípio".

            A estrutura literária de Gênesis é clara e está construída em torno de 11 unidades distintas, cada qual encabeçada por uma expressão semelhante a "são essas as gerações" (...).

 

 O AUTOR DE GÊNESIS

Embora Gênesis não aponte diretamente o nome de seu autor e os acontecimentos narrados no livro se realize três séculos antes do nascimento de Moisés, tanto as Escrituras quanto a história da Igreja apóiam a autoria mosaica de Gênesis.

O Antigo Testamento está repleto de testemunhos diretos e indiretos para uma autoria mosaica de todo o Pentateuco (Êx 17.14; Lv 1.1-2; Nm 33.2; Dt 1.1; Js 1.7; 1Rs 2.3; 2Rs 14.6; Ed 6.18; Ne 13.1; Dn 9.11-13; Ml 4.4). O Novo Testamento também contém vários testemunhos (Mt 8.4; Mc 12.26; Lc 16.29; Jo 7.19; At 26.22; Rm 10.19; 1Co 9.9; 2Co 3.15).

            A Igreja Primitiva sustentava abertamente a autoria mosaica, assim como o historiador judeu do primeiro século, Josefo. Como era de se esperar, o Talmude de Jerusalém também defende a autoria de Moisés.

            Seria difícil encontrar em todo Israel algum outro homem melhor preparado para escrever essa história. "Educado em toda ciência dos egípcios" (At 7.22), Moisés fora preparado de maneira providencial para compreender e integrar, sob a inspiração de Deus, todos os registros, manuscritos e narrativas orais disponíveis.


                                 O TEMPO DE GÊNESIS

Gênesis se divide claramente em três cenários geográficos: 1) o Crescente Fértil (1 - 11); Israel (12 - 36); 3) Egito (37 - 50).
O cenário dos primeiros 11 capítulos se transfforma rapidamente, pois eles cobrem um período superior a dois mil anos e uma área maior que 2.400 km, retratando o ato majestoso da criação; o jardim do Éden, o dilúvio de Noé e a torre de Babel.

A seção intermediária de Gênesis tem início na rápida transição entre os dois milênios passados no Crescente Fértil e o período de cerca de 200 anos na pequena terra de Canaã. Cercada da crescente imoralidade e idolatria cananéias, a piedade de Abraão rapidamente se degenera em imoralidade em alguns de seus descendentes.
            Nos últimos 14 capítulos, Deus, dramaticamente, salva da extinção a sua pequena nação israelita, transferindo as "setenta almas" para o Egito, onde poderiam crescer e se multiplicar. Com toda a certeza, o Egito foi um ventre inesperado para o crescimento da nação escolhida de Deus, mas esta providência permitiu também o distanciamento de Israel da influência mutiladora dos cananeus.
            Gênesis é o livro que cobre o maior período de tempo em toda a Bíblia. Na verdade, o período coberto aqui é maior que o de todos os outros 65 livros juntos.
            Usando-se a mesma divisão em três partes citda acima, a seguinte datação pode ser estabelecida:
A. 2.000 anos ou mais, de 4000 a 2090 a.C. (Gn 1 - 11)
    1. Criação, 4000 a.C. ou antes (Gn 1.1)
    2. Morte de Tera, 2090 a.C. (Gn 11.32)
B. 193 anos, de 2090 a 1897 a.C. (Gn 12 - 36)
    1. Morte de Tera, 2090 a.C. (Gn 11.32)
    2. José no Egito, c. 1897 a.C. (Gn 37.2)
C. 93 anos, de 1897 a 1804 a.C. (Gn 37 - 50)
    1. José no Egito, c. 1897 a.C. (Gn 37.2)
    2. Morte de José, 1804 a.C. (Gn 50.26)



                                                      O CRISTO DE GÊNESIS

Gênesis parte do geral ao específico em suas predições messiânicas: Cristo é a descendência da mulher (3.15), da linhagem de Sete (4.25), o filho de Sem (9.27), o descendente de Abraão (12.3), de Isaque (21.12), de Jacó (25.23) e da tribo de Judá (49.10).

Cristo também é visto em pessoas e eventos que servem de tipos ("tipo"  é um fato histórico que ilustra uma verdade espiritual). Adão "prefigurava aquele que havia de vir" (Rm 5.14). Ambos entraram no mundo, mediante um ato especial de Deus, como seres sem pecado. Adão é o cabeça da velha criação; Cristo é o Cabeça da nova criação. A oferta de sangue de Abel, aceitável ao Senhor, aponta para Cristo, e existe um paralelo em seu assassinato, cometido por Caim. Melquisedeque ("rei de justiça") é "feito semelhante ao Filho de Deus" (Hb 7.3). Ele é o rei de Salém ("paz") que trouxe pão e vinho e é sacerdote do Deus Altíssimo. José também é um tipo de Cristo. Ambos foram alvos de um amor especial por parte de seus pais, ambos odiados por seus irmãos, ambos traídos e vendidos por prata, ambos condenados, apesar de sua inocência, e ambos ressurgiram da humilhação para a glória pelo poder de Deus.


            AS CHAVES PARA GÊNESIS

            Palavra-chave: princípio. Gênesis narra o princípio de quase todas as coisas, incluindo o princípio do universo, da vida, do homem, do sábado, da morte, do casamento, do pecado, da redenção, da família, da literatura, das cidades, das artes, da linguagem e do sacrifício.

            Versos-chave: Gênesis 3.15 e 12.3: "Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" (3.15).

            "Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra" (12.3).

            Capítulo-chave: Gênesis 15. A aliança com Abraão, apresentada em 12.1-3 e ratificada em 15.1-21, é fundamental para toda a Escritura. Israel recebe três promessas específicas: 1) a promessa de uma grande terra: "desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates" (15.18); 2) a promessa de uma grande nação: "farei a tua descendência como o pó da terra" (13.16); 3) a promessa de uma grande bênção: "e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção!" (12.2).


            ANÁLISE DE GÊNESIS

            A importância maior de Gênesis não está tanto nos relatos históricos, mas, sim, no fato de ser o primeiro capítulo na história da redenção do ser humano. Sob este aspecto, Gênesis é uma interpretação espiritual altamente seletiva da história. Gênesis se subdivide em quatro grandes eventos (1 - 11) e em quatro grandes pessoas (12 - 50).

            Os quatro grandes eventos. Os caps. 1 - 11 lançam o fundamento sobre o qual toda a Biblia está construída, enfonado quatro eventos-chave. 1) Criação: Deus é o Criador soberando da matéria, da energia, do tempo e do espaço. O homem é o pináculo da criação. 2) Queda: a criação é seguida pela corrupção. Pelo primeiro pecado, o homem é separado de Deus (Adão e Deus), e, pelo segundo pecado, o homem é separado do homem (Caim e Abel). Apesar da devastadora maldição da queda, Deus promete a esperança de redenção através da descendência da mulher (3.15). 3) Dilúvio: junto com a multiplicação do homem, o pecado também se alastra, até que Deus é compelido a destruir a humanidade, com exceção de Noé e sua família. 4) Nações: Gênesis ensina a unidade da raça humana: somos todos filhos de Adão através de Noé. Mas, por causa da rebelião da torre de Babel, Deus fragmenta a língua e a cultura do mundo pós-diluviano e espalha as pessoas sobre a face da terra. 

            As quatro grandes pessoas. Visto que os povos estão espalhados, Deus se concentra num homem e seus descendentes. Através dele Deus abençoará todas as nações (12 - 50). 1) Abraão: o chamado de Abraão (12) é o ponto crucial do livro. as três promessas contidas na aliança que Deus faz com Abraão (terra, descendentes e bênção) são fundamentais em seu plano de trazer salvação à terra. 2) Isaque: Deus estabelece sua aliança com Isaque conforme a ligação espiritual com Abraão. 3) Jacó: Deus transforma o egoísmo deste homem em espírito servil e muda o seu nome para Israel, o pai das doze tribos. 4) José: o filho favorito de Jacó sofre na mão de seus irmãos e se torna escravo no Egito. Depois de sua dramática jornada ao governo do Egito, José livra a sua família da fome e a traz de Canaã para Gósen.

            Gênesis termina com uma nota apontando para um futuro cativeiro, posterior à morte de José. Há grandes necessidades de redenção, a qual se manifestará no Livro de Êxodo."


(Bíblia de Estudo das Profecias, Editoras Atos e SBB, 2ª edição, 2001, pp. 3, 4 e 5)



Indicação: caso você não possua uma Bíblia de Estudo das Profecias, publicada pelas Editoras Atos e SBB, procure adquirir uma. Ela é muito boa para aumentar o teu conhecimento. Fica aqui a minha dica. 



Pastor Hafner
Chavannes - Suíça

2 comentários:

  1. Paz do Senhor Pastor Hafner!!
    Não sei se vc vai lembrar de mim, mas me lembro muito bem de vc. Meu nome é Mateus sou da Banda Átrius 7 , Tocavamos muito no Lomanto aki em Itabuna, e era vc ki nos transportava em seu carro,na época do grupo de adolescentes, não sei se vai lembraR, Mas fico muito feliz em saber ki os projetos de DEUS em sua vida tem sido realizados!! Grande abraçOOo

    ResponderExcluir
  2. A paz do Senhor, querido irmão Mateus.

    Claro que eu me lembro de vocês. Por sinal, uma bênção. Fico feliz com o teu contato.

    Lembranças a todos. Deus te abençoe!

    Um forte abraço...!

    ResponderExcluir